8 DE MARÇO, LENDAS E FATOS DAS MARIAS

MARGARIDA MARIA ALVES

Há 25 anos, no dia 12 de agosto de 1983, Margarida Maria Alves, líder sindical da região, foi assassinada na porta da casa em que morava. Com o seu lema “É melhor morrer na luta que morrer de fome”, Margarida foi a primeira sindicalista do Estado. Passou 12 anos a frente do sindicato dos trabalhadores rurais e nunca perdeu uma ação a favor de trabalhadores que eram injustiçados, mais de 600 ações foram movidas.Moradores de Alagoa Grande relembram o dia em que a líder sindical morreu e narram o fato de forma ainda muito emocionada, “ela estava comendo uma espiga de milho, chamaram e ela veio abrir a porta, um homem atirou em sua cabeça, a queima roupa. Após o crime a cidade ficou sem energia. Foi uma grande armação, até hoje ninguém foi condenado”, contam os vizinhos da casa em que morou e hoje funciona o memorial “Casa Margarida Maria Alves”, acrescentando que na hora do crime muita gente estava dentro de casa assistindo à novela.Com um tiro de espingarda 12 na cabeça, em uma noite em que até as lâmpadas da cidade se apagaram, morria Margarida Maria Alves, mulher que tornou-se um símbolo não só para os moradores de Alagoa Grande, mas um ícone mundial da luta sindical. Margarida era casada e quando morreu seu único filho tinha ainda oito anos.Margarida foi assassinada por incentivar os trabalhadores e lutar com eles por direitos trabalhistas como salário mínimo, 13º salário e férias. Antes de sua morte Margarida já havia sofrido diversas ameaças e a muitas delas respondeu em seus discursos ou através de cartas que podem ser encontradas na “Casa Margarida Maria Alves”.


Maria Gomes de Oliveira, vulgo Maria Bonita (Paulo Afonso, 8 de março de 1911[1]28 de julho de 1938) foi a primeira mulher a participar de um grupo de cangaceiros.
Maria Bonita nasceu em 8 de março de 1911 no sítio Malhada da Caiçara, do município de Paulo Afonso na Bahia. Depois de um casamento frustrado, em 1929 tornou-se a mulher de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, conhecido como o "Rei do Cangaço". Continuou morando na fazenda dos pais, mas um ano depois foi chamada por Lampião para fazer efetivamente parte do bando de cangaceiros, com quem viveria por longos oito anos.
Com o cangaceiro, Maria Bonita teve uma filha de nome Expedita e teve também três abortos. Morreu em 28 de julho de 1938, quando foi degolada ainda viva pela polícia armada oficial (conhecida como "volante"), assim como Lampião e outros nove cangaceiros.
OBS.: Virgulino, tinha desde adolescência um temperamento arredio. Ele acreditou que no cangaço conseguiria justiça com as próprias mãos. Pq teve o pai morto pela disputa de seu pequeno pedaço de terra. Uma das inúmeras atrocidades cometidas até hoje (como no caso de Margarida), pelos "coronéis" das imensas fazendas (pásmem) no sertão nordestino.
DUAS MARIAS, DUAS MULHERES, DUAS HISTÓRIAS
NÓS, AS MULHERES NORDESTINAS SOMOS SEMPRE LEMBRADAS PELA FORÇA E CORAGEM! TALVEZ AS MÚSICAS, AS HISTÓRIAS, AS LENDAS TENHAM CRIADO ESTA IMAGEM. SEMPRE EM PRETO E BRANCO, SEMBLANTE SÉRIO.
PORÉM EU AFIRMO , POR CONHECIMENTO DE CAUSA, QUE SOMOS IGUAIS A QUALQUER OUTRA MULHER, EM QUALQUER LUGAR DO PLANETA. TEMOS NOSSA TPM! E ESTAMOS FADADAS, COMO TODAS, AOS ALTOS E BAIXOS DOS HORMÔNIOS FEMININOS! POIS É, SOMOS HUMANAS, FRÁGEIS E INDEFESAS TB.
E NÃO QUERENDO ME ESTENDER PARA EXPLICAR AS MÚLTIPLAS CARACTERISCAS FEMININAS, LEMBRO QUE O BEHAVIORISMO CLÁSSICO AFIRMA: 'UM COMPORTAMENTO É SEMPRE UMA RESPOSTA A UM ESTÍMULO ESPECÍFICO".
UM MARAVILHO 8 DE MARÇO, AS MARIAS, E AS NÃO MARIAS!
(CLAUDINHA)
.